neo concepts
Contos Eróticos da vida real
atreva-se a publicar o seu e surpreenda-se com o feedback (agora 100% abertos)
  

Conhece um conto erótico digno de ser partilhado?


O Seu Nome* : O Seu Email* :   * Deseja Receber Notificação? :
* O SEU EMAIL NUNCA será divulgado ao público. Serve apenas para você receber as notificações do seu conto.

Obrigatório: Qual o título deste conto:  

Palavra Chave/TAG 1:    escreva 4 palavras/tags que definam o seu conto,
Palavra Chave/TAG 2:    o seu conto ficará associado a estas palavras chave.
Palavra Chave/TAG 3:   
Palavra Chave/TAG 4:   

Associar uma Imagem:    Opcional. Pode associar uma imagem ou foto ao seu conto. Imagens de Sexo explícito são proibidas.
Categoria Temática:

Descreva pormenorizadamente o seu conto erótico.
Anti-spam* (ESCREVA APENAS OS 3 SÍMBOLOS A PRETO):      captcha image   



Atrás das Grades




Último post na Rede Social para adultos
"Par Compatível 18+". Faça a sua conta. É Grátis:

madalena publicou o seguinte:

Sou muito safada, adoro sexo e adorei esta rede social. Fazia falta um local assim. Adoro chupar um pau grosso e quente.


Este conto foi lido 4199 vezes.
Depois de ler este conto, porque não uma visitinha a estes desabafos Sexys:

Confissão: A bucetinha da minha esposa !
Eu confesso que minha esposa tem uma bucetinha pequena, apertada e gostosa. Nem parece que é de uma ...

Publicado em 23 April 2014 | 10:39 am
Confissão: Ela não faz sexo oral em mim !
Eu confesso que adoro sexo oral, fazer e receber, porém, minha esposa não gosta, diz que dá ânsia, p...

Publicado em 23 April 2014 | 10:35 am


E agora... O conto de Yves da Rocha Campos :

Quando menos esperamos acontecem fatos na vida da gente que nos deixam marcas que não esquecemos jamais ou fazemos o possível para não esquecer. Meu nome é Fabio e sou um homem que como cidadão sempre cumpriu suas obrigações com seriedade e honestidade, até que... Há alguns anos eu trabalhava como corretor de imóveis, era separado da minha esposa e todos os meses depositava em sua conta bancária um determinado valor, referente à pensão alimentícia dos meus dois filhos menores. Por ser experiente na área de vendas meu trabalho era fácil e meu lucro mensal era razoável, dava para pagar o aluguel do pequeno apartamento onde eu morava e todas as contas mensais, as quais todos nós somos obrigados a pagar, além da pensão alimentícia, o que sobrava era gasto em bebedeiras com amigos e principalmente em noitadas com mulheres vulgares. O mercado imobiliário começou a ficar instável e as coisas já não estavam caminhando como deveriam, os meus lucros já não eram mais os mesmos e com o passar dos meses a situação foi ficando pior, chegando ao ponto que eu já não conseguia mais pagar as contas e por conseqüência a bendita pensão alimentícia. As dívidas foram se acumulando, o que eu ganhava mal dava para pagar o aluguel e ter onde morar era a minha prioridade no momento, portanto deixei de fazer os depósitos mensais na conta da minha ex-esposa. Alguns meses depois no ínicio do ano seguinte recebi uma visita inesperada, uma viatura da policia civil com dois policiais que me apresentaram uma ordem de prisão assinada por um juiz daquela comarca. Foram bastante educados e disseram que mesmo não concordando com esse tipo de prisão o trabalho deles deveria ser cumprido e pediram para acompanhá-los até a delegacia. Liguei para um advogado conhecido meu, expliquei o que estava acontecendo e ele me disse que em pouco tempo estaria na delegacia. Entrei na viatura e seguimos para a delegacia, fui ouvido pelo delegado e encaminhado a uma cela da carceragem, onde se encontravam mais dois sujeitos detidos, um deles conhecido como Naldinho, era baixinho e magro, era um ladrãozinho barato que roubava peças de roupas em lojas, foi flagrado por câmeras de circuito interno e conseqüentemente preso. O outro era José Ramirez, um cubano que morava legalmente à muitos anos no Brasil, foi preso por falsificação de documentos, era alto e bem forte, tinha a pele morena e uma barba espessa e descuidada. Meu advogado chegou por volta das cinco horas da tarde com alguns documentos que eu deveria assinar, me trouxe duas camisetas, um short e um par de cuecas e me disse que por ser sexta-feira eu passaria o fim de semana detido, uma vez que não haveria tempo hábil para o pedido de soltura. Fiquei bastante revoltado, afinal aquela situação foi causada por motivos que estavam fora do meu alcance, motivos causados pela situação que o país estava atravessando, mas o jeito era acatar a decisão e esperar a segunda-feira para ver o que ia acontecer. Na cela tinha apenas um beliche que já estava ocupado pelos dois, do lado oposta na outra parede tinha um colchonete enrolado, amarrado com uma cordinha e pendurado num prego. Tomei um banho, me vesti e esperei o jantar, um marmitex que não era muito convidativo. Mais tarde a luz da cela foi apagada, ficando somente a luz do corredor acesa causando uma penumbra no local. Naldinho subiu na parte superior do beliche, o cubano sentou-se na parte inferior, ficando um pouco dasacomodado porque o beliche era baixo. Fui pegar o colchonete que estava na parede, estiquei o corpo para alcançar o prego que era um pouco alto, percebi que o cubano chegou por trás de mim, pensei que fosse me ajudar, mas senti sua mão na minha bunda, tentei me esquivar mas ele era forte e me imprensou contra a parede ainda com a mão na minha bunda, segurei a mão dele e tentei tira-la de lá, não conseguí, senti seu dedo médio cutucando o meu cu com bastante força por cima do short. Eu estava com o lado direito do rosto encostado na parede quando ele começou a chupar o meu pescoço e mordiscar o lóbulo da minha orelha, senti uma sensação estranha até certo ponto agradável, resolví relaxar e deixar ele me dominar eu estava gostando daquilo. Ele tirou a mão cujo dedo cutucava o meu cu e senti um tesão enorme quando ele encostou aquela rola dura na minha bunda que mesmo dentro da sua bermuda eu podia sentir o calor daquela vara. Continuava a chupar o meu pescoço e enfiar a língua na minha orelha, falava algumas palavras em castelhano que eu não conseguia entender e me encoxava com força. Eu que já estava totalmente dominado, comecei a esfregar a minha bunda no pau do cubano que gemia de tesão, foi então que percebi que Naldinho estava sentado no beliche batendo uma punheta. O cubano me virou de frente prá ele me deu um beijo de língua e voltou a chupar o meu pescoço, eu sentia a sua barba dura me espetando, com uma mão apertava meu peito enquanto que a outra passeava pela minha bunda e eu sentia seu dedo querendo entrar no meu cu mesmo por cima do tecido. Tirou a minha camiseta e começou a chupar meus peitos, nesse momento já não era mais eu, um homem, eu era uma vadia totalmente dominada por um macho. Desci a mão até sua rola, segurei e apertei aquele mastro por cima da bermuda, o calor que me invadia me fazia suar, o tesão era indescritível. Ele abaixou sua bermuda e aquela tora descomunal saltou dura como uma pedra, não pensei duas vezes, abaixei e abocanhei a cabeça enorme, comecei a passar a língua em todos os contornos da glande, ele puxou a minha cabeça e começou a enfiar tudo aquilo na minha boca, eu sentia suas veias dilatadas pulsando nos meus lábios. O pau do cubano tinha mais de 20 cm e uns 6 de circunferência. Minha boca estava totalmente aberta e a rola grossa ocupava todos os espaços dela, sentia a cabeça na minha garganta, tirei da boca aquele pau delicioso e comecei a chupar seu saco, sugava suas bolas e lambia desde o saco até a cabeça daquela piróca gigante, o meu tesão era grande e quanto mais chupava com mais tesão eu ficava, o cheiro de suor me deixava louco e eu chupava como um alucinado. Percebi que Naldinho veio por trás e começou a abaixar o meu short, empinei a minha bunda e ele começou a lamber meu cu, arreganhava minhas nádegas e enfiava a língua no meu rabo, era tesão puro, um pau enorme na minha boca e uma língua no meu cu, era uma sensação deliciosa. Ramirez tirou a rola da minha boca e trocou de posição com Naldinho, enfiou o dedo no meu cu e começou a fazer movimentos circulares. Naldinho chegou na minha frente com a rola quase explodindo e colocou na minha boca, o pau dele não era muito grande mas era bem grosso. Quase de quatro com minha bunda empinada senti a rola do cubano no meio das minhas coxas apertando meu saco, ele levou a mão até meus peitos e começou a apertar os meus mamilos, meu cu piscava e não via a hora de receber aquela rola grossa e quente. Eu engolia a rola do Naldinho, quando senti o pau do cubano subindo pelo meu rego e chegar na entrada do meu cuzinho, delirei o prazer era demais, ele ajeitou o pau e começou a forçar a entrada, senti que aquele tarugo começava a me arrombar, foi entrando devagar, sensação incrível a dor me dava mais prazer e eu mexia a bunda para me ajustar àquela rola grande e grossa. Segurou meu quadril puxando contra seu pau e senti aquilo latejando e entrando até o fundo do meu cu, começou a fazer movimentos mais rápidos num vai e vem frenético, as estocadas que ele dava no meu cu fazia com que o pau do Naldinho chegasse até a minha garganta, ele metia tão forte que eu ouvia os estalidos das batidas na minha bunda. Naldinho não agüentou mais, senti seu pau ficar mais grosso e um jorro de porra encheu minha boca espirrando por toda minha cara e o cubano continuava bombando meu cu com uma voracidade fantástica, engoli toda aquela porra e continuei a lamber o pau e o saco do Naldinho que estava lambuzado por aquele líquido prazeiroso. O cubano parou de socar, apertou o meu quadril e senti seu pau pulsando dentro de mim e mais e mais ele me puxava contra seu pau, era delicioso sentir aquela peroba enfiada no meu cu, gozei como nunca nesse momento. No instante em que eu estava gozando meu cu contraia e apertava o mastro do cubano que foi ao êxtase. Senti que aquele volume dentro de mim começou a crescer, ficar mais grosso, minhas entranhas pareciam que iam explodir, então senti as contrações daquela rola que enchia meu cu de porra, e ele continuou tirando e enfiando tudo de novo, agora entrava e saia sem muito esforço, pois meu cu já estava arrombado e lubrificado. Eu sentia a porra quente escorrer pelas minhas pernas, quando ele tirou o pau do meu cu e colocou na minha boca outra vez, chupei aquele pau já meio amolecido e lambuzado engolindo toda a porra que escorrera nele e no saco. Aquilo exalava um cheiro delicioso, misto de suor e porra, chupei tudo até seu pau ficar totalmente mole, mesmo mole o pau do cubano era enorme. Nessa altura Naldinho já estava com o pau duro de novo e eu também continuava a sentir um tesão louco, ele decidiu que era a sua vez de comer o meu cu, não retruquei eu queria mais rola. Fiquei de quatro apoiado na beliche, abri as pernas e empinei a minha bunda, ele veio e colocou seu pau no meu rego ainda lambuzado de porra e começou a enfiar no meu cu, entrou fácil e ele metia como um louco e eu gemia de prazer. O cubano estava do meu lado, com o seu pau começando a ficar duro perto da minha cara, fiquei apoiado apenas com uma mão, com a outra segurei seu pau e comecei a chupar de novo, até ficar duro como aço, Naldinho continuava a socar a rola no meu rabo, quando o cubano foi por trás dele e encostou a rola no seu cu, feito um sanduíche não tinha como escapar. O cubano começou a enfiar a tora no rabo do rapaz que gemia e se mexia muito me dando mais prazer, confesso que cheguei a ficar com ciúmes, eu queria a rola do cubano no meu cu. Ficamos os três engatados, um trenzinho de puro prazer, cada estocada do cubano no cu do Naldinho era uma estocada do Naldinho no meu cu, e assim ficamos até a gozada final, com todos gozando de uma vez só, juntos.Foi uma foda maravilhosa, nunca tinha sentido nada igual. Fantático. Num acordo feito entre os dois, na noite seguinte dormi só com o Naldinho que me comeu muito e no domingo à noite foi a vez do Ramirez dormir comigo, ele me comeu de várias maneiras e em várias posições incluindo um frango assado que me deixou maluco, sua rola era esplêndida. Na segunda-feira à tarde meu advogado chegou com a ordem de soltura e fui liberado. O tempo passou mas as lembranças daquelas duas rolas nunca me saíram da memória, meu pau fica duro só de pensar e meu cuzinho fica piscando esperando um nova oportunidade de receber uma grande rola.

#3158 Comentários - 19-08-2010 - 05:49 AM por Yves da Rocha Campos - Gay - Confirmo, É EXCITANTE (34) - Nota negativa! (3)
Adicionar aos Favoritos
Enviar a um Amigo
Este conto já foi visto antes

Contamos com a sua decisão. Você leu a totalidade deste conto? Gostou? Não?

Agradecemos que faça a sua votação. Clique num dos links em cima.
Clique em "Confirmo, É EXCITANTE" se gostou do conto ou clique em "Nota negativa" se não gostou. por favor faça-o em consciência. Obrigado pela sua participação.

Comentários dos usuários:

Nota: O site Contos Eróticos (contoseroticos.mundopt.com) não se identifica com os comentários aqui publicados. Os comentários são da inteira responsabilidade dos seus autores e podem ser removidos sem aviso prévio. Se você encontrar aqui algum comentário que considere que ultrapassou todos os limites, por favor clique no link "Relatar" para o reportar à administração. Obrigado.
adorei o seu conto, é uma delicia, sou Português e fiquei louco de tesão, adorava ter estado no seu lugar#1 - 02-11-2010 - 02:10 AM por Luis disponivel - reportar abuso
gostei do seu conto, ai que inveja....#2 - 14-09-2010 - 04:17 PM por keyla - reportar abuso
adorei seu conto, maravilhoso, era tudo que um passivo pode ter#3 - 23-08-2010 - 11:56 PM por clarinha - reportar abuso
Gostei imenso de seu conto... me deixou com um tesão louco! Parabéns.#4 - 21-08-2010 - 12:12 AM por Vasco Silva - reportar abuso
seu conto e verdadeiro isso acontece mesmo muito legal mais vc ja devia ter seu lado gay pra ter sidotao facil assim .muito bom parabens #5 - 19-08-2010 - 03:54 PM por diegohenrique - reportar abuso

Coloque aqui o Seu Comentário sobre este conto:

Seu Nome:

Comentário:

Código anti-spam:      (reescreva o código à esquerda)