neo concepts
Contos Eróticos da vida real
atreva-se a publicar o seu e surpreenda-se com o feedback (agora 100% abertos)
  

Conhece um conto erótico digno de ser partilhado?


O Seu Nome* : O Seu Email* :   * Deseja Receber Notificação? :
* O SEU EMAIL NUNCA será divulgado ao público. Serve apenas para você receber as notificações do seu conto.

Obrigatório: Qual o título deste conto:  

Palavra Chave/TAG 1:    escreva 4 palavras/tags que definam o seu conto,
Palavra Chave/TAG 2:    o seu conto ficará associado a estas palavras chave.
Palavra Chave/TAG 3:   
Palavra Chave/TAG 4:   

Associar uma Imagem:    Opcional. Pode associar uma imagem ou foto ao seu conto. Imagens de Sexo explícito são proibidas.
Categoria Temática:

Descreva pormenorizadamente o seu conto erótico.
Anti-spam* (ESCREVA APENAS OS 3 SÍMBOLOS A PRETO):      captcha image   



De mulher para mulher (Seduzida pela vizinha)




Último post na Rede Social para adultos
"Par Compatível 18+". Faça a sua conta. É Grátis:

simao publicou o seguinte:
em Dupla Penetração
Uma dupla de oferta para vc
Este post tem 15 fotos.
Clique na foto para ver o resto deste album.


Este conto foi lido 31301 vezes.
Depois de ler este conto, porque não uma visitinha a estes desabafos Sexys:

Confissão: tenho muito desejo pela minha sogra
Eu confesso que sinto todos os dia vontade de namorar minha sogra, já cheguei até a falar para minha...

Publicado em 20 April 2014 | 3:18 am
Confissão: casado a 24 anos e nunca trai mas gostaria muito disso
Eu confesso que tenho uma vontade enorme de fuder gostoso com outra mulher,transo com ela todos os d...

Publicado em 20 April 2014 | 3:09 am


E agora... O conto de Isabel Ribas :

(O relato que se segue é absolutamente verdadeiro, e apenas alguns detalhes como os endereços foram mudados para proteger nossas identidades.)
Eu sou a esposa de Christiano tinha 21 anos na época em que os fatos aqui narrados aconteceram. Até então eu levava uma vida normal para uma garota da minha idade, tinha tido meus namorados e amizades, e nunca havia sentido qualquer atração sexual por outra mulher. Devo dizer que nunca tive muita sorte com os homens com quem namorei, até encontrar este macho gostoso que é meu marido safado: todos eles, sem exceção, me tratavam como se fosse um brinquedo, uma boneca com a obrigação de estar sempre pronta para satisfazer-lhes as vontades, quer perante os amigos deles, quer nos momentos mais íntimos. Mas como venho do interior e fui educada de maneira tradicional, eu tinha aprendido a aceitar aquela situação: afinal, os homens é que trazem o sustento para casa, era "normal" eu abaixar a cabeça e cumprir-lhes as ordens, "faça isso, faça aquilo", seja servindo-lhes uma cerveja ou fazendo-lhes carinho quando e onde eles quisessem.
Eu tinha terminado o meu curso de secretariado e e hoje em dia estava fazendo medicina na PUC. Naquela época tinha desfeito com o namorado de então e saía na companhia dos colegas de faculdades. Nesses programas rolava alguma paqueração mas sem maiores conseqüências. Eu até que era muito solicitada, mas o último namorado que tive me deixou um gosto horrível na boca e eu não ia querer me comprometer com ninguém durante algum tempo. Também estava com problemas de aluguel, e depois de algumas dificuldades me mudei para um apartamento de dois quartos no décimo-segundo andar de um prédio situado num bom bairro residencial. O novo apartamento me animou muito, tive uma sensação de poder recomeçar a vida em todos os sentidos. Casa nova, vida nova.
E foi numa dessas manhãs, a caminho do serviço, que topei com a Sâmara, pela primeira vez. Dois andares debaixo do meu, o elevador parou e deixou entrar uma mulher belíssima, incrivelmente elegante e cheia de classe. Pensei que ela era uma pessoa famosa, me parecia uma atriz ou modelo de capa de revista, não sei. Ela tinha um ar de estrangeira, de européia, com a pele ligeiramente tostada de sol mas bem mais clara que a minha. Um palmo mais alta do que eu, um porte quase aristocrático sem ser austero demais, os cabelos loiros cor-de-trigo amarrados atrás num rabo-de-cavalo, óculos de aro fino e um rosto de beleza clássica. Reparei que tinha olhos verdes, mais propriamente de cor turquesa, com lampejos azulados, e que me olharam de um jeito que, por algum motivo, me arrepiou a alma. Eu devo ter ficado vermelha quando ela me sorriu, com aqueles lábios carnudos e lateralmente alongados ligeiramente acentuados com batom bege, soltando um \"oi\" quase inaudível. Eu reagi sorrindo também. Tive a sensação de que íamos nos ver de novo, mais vezes. Quando chegamos ao saguão ela desapareceu, deve ter entrado na garagem para pegar o carro. Eu ando a pé e fui à saída esperar pela carona de uma colega.
Acho que nos cruzamos de novo na semana seguinte, já de noitinha. Eu voltava de um trabalho de faculdade em uma casa de uma colega e coincidiu de tomarmos juntas o elevador. No começo não percebi a presença dela, mas os outros passageiros desceram nos andares baixos e depois do sexto só estávamos nós duas. Trocamos sorrisos de novo.
- Você é nova por aqui, não?
Foi a primeira coisa que me lembro de ela ter-me perguntado. Respondi que havia me mudado há pouco tempo, sim. Quando o elevador parou no décimo, ela me jogou outro sorriso enquanto saía.
- Se precisar de alguma coisa me procure. Sou Samara., do 1008.
Eu agradeci e falei meu nome e onde morava. Foi a primeira pessoa realmente gentil que conheci no prédio. Ela havia me causado uma ótima impressão. Quem sabe se não íamos mesmo ser amigas? Qualquer dia desses, quando não tiver nada que fazer, talvez eu fosse procurá-la para um papinho. E, quem sabe, ela poderia me dar umas dicas sobre elegância e requinte, coisa de outro mundo para uma caipirinha como eu.
E então veio o dia em que todo o meu mundo virou de cabeça para baixo. Era uma sexta-feira, e eu já estava antecipando o fim-de-semana para descansar um pouco. Um rapaz lá da faculdade que andava com a nossa turma queria sair comigo. Como estava estreando um filme que eu queria ir ver, ele me convidou para ir ao cinema e depois a um jantar para papearmos. Já fazia mais de um mês que não saía sozinha com alguém, e o cara parecia decente. Não estava a fim de começar nada muito sério, mas um cineminha e um jantar não fariam mal. Topei. A gente ficaria fazendo um trabalho até mais tarde e, depois sairíamos direto ao cinema no carro dele. Depois do jantar ele me traria até em casa. Perfeito.
Eu disse que o cara parecia decente? Ledo engano. No cinema e no jantar ele até que se comportou bem, mas depois que entrei no carro para que ele me levasse em casa, a coisa desandou. Quando percebi que ele não estava tomando o caminho da minha casa já era tarde demais. Ele disse que havia se perdido, mas era mentira: pois não é que o desgraçado me levou direto a um drive-in? Eu protestei, mas ele me disse que só queria conversar comigo, que precisava de um lugar reservado e coisa e tal. Foi a última vez que caí num papo furado desses. Mal caiu a cortina ele foi me agarrando e me beijando, dizendo que me queria e que estava louco por mim. Eu esbocei uma reação, mas ele me desabotoou a blusa e começou a me chupar o colo. Ele agarrou meu rosto, abriu a calça dele, tirou para fora o troço e me encostou na boca.
- Vem cá, chupa minha pica. Deixa o meu cacete bem duro pra você.
Não vou negar, eu sempre fiz isso com os meus namorados. Desde minha primeira aventura aos doze ou treze anos, o sexo oral tem sido uma atividade até que normal, ainda que feito às escondidas e fosse coisa que eu não comentasse com ninguém. Admito, meio constrangida, que até aprendi a gostar de chupar. Aquela sensação de que, na minha boca, o pênis ia ficando cada vez maior e mais duro, grosso e túrgido, me dava uma certa satisfação de que eu estivesse no comando no momento, controlando-lhe a ereção e a própria masculinidade. Mas, claro, ele é que havia me dado a ordem de chupar, não era algo que eu havia tomado a iniciativa de fazer. Entre humilhada, resignada e assertiva, eu o atendi. Suguei até ele ficar visivelmente excitado. Foi um erro: daí a coisa não teve mais retorno. O cara me agarrou, me jogou no banco de trás com a calça arriada mas ainda presa nas pernas, e me imobilizou de bruços. Então me abaixou a calcinha sem mais delongas e me penetrou furiosamente, quase que com raiva, e eu nem sei como reagi. A coisa foi muito rápida e não senti nada, a não ser uma sensação de estar sendo usada e abusada por um maníaco abrutalhado e insensível. Mas isso foi pouco.
- Sua putinha gostosa, abre o cu que vou te comer!
Ele não perdeu tempo. Eu estava desnorteada com o que estava acontecendo e procurava me recompor, voltar a mim mesma, quando senti aquela dor horrível, alucinante, como se alguma coisa me rasgasse as entranhas. O canalha, pois é isso mesmo que ele era, me violentou pelo ânus, e ficou a socar rápido e fundo como se me odiasse, como se a condição de macho dele dependesse de me sujeitar a algo contra a minha vontade e me machucar como castigo. Ele me xingava com vários palavrões, ofegava e berrava feito um porco desembestado. Aí eu gritei mais alto e comecei a chorar. Não demorou para que ele se satisfizesse, lambuzando-me com aquela gosmenta prova de sua hombridade estúpida. Nem a decência de usar um preservativo ele teve. O cara me agarrou para me beijar e eu lhe dei uns tapas. Desci do carro, me recompus como pude e saí de lá a pé, correndo, sempre chorando, sem olhar para trás.
Percorri não sei como toda a distância do boxe até a saída do drive-in (e quase que um carro que vinha entrando me atropela) e, por sorte, consegui parar um táxi que passava pela estrada. Eu chorava muito, o motorista se assustou e até se ofereceu para me levar a um pronto-socorro ou a uma delegacia: eu não lhe havia dito nada, mas ele deve ter percebido que fui vítima de uma agressão, estava na cara. Eu disse a ele que só queria ir para casa. No caminho fui me acalmando um pouco, mas continuava soluçando e em prantos. O taxista, um senhor de idade (eis um homem decente, para variar!), nem me cobrou a corrida: não lhe contei o que aconteceu, mas eu estava visivelmente abalada. Ele me ajudou a entrar, o porteiro me acudiu e eu menti dizendo que estava bem, que podia me arranjar sozinha. Apertei o botão do meu andar e fui subindo. Não havia mais ninguém no elevador.
Se eu fosse supersticiosa eu acreditaria em destino. Quem sabe, naquela época eu ainda acreditasse: é incrível como a gente amadurece depois de conhecer as pessoas certas... Mas me dei conta de que o cara podia vir atrás de mim: ele conhecia o meu endereço. Nem que não entrasse no prédio, ficaria me azucrinando pelo telefone. E nem que eu desligasse o aparelho, eu não conseguiria dormir. Toda a minha fé na espécie humana tinha sido abalada, e eu precisava, PRECISAVA conversar com alguém. Já passava das onze e meia da noite, dificilmente eu conseguiria achar uma alma amiga disposta a me ouvir. Depois, toda a turma morava longe dali. Foi aí... foi aí que um anjo deve ter passado e me sussurrou ao ouvido. O elevador parou no meu andar, mas não desci. Apertei o botão de dois andares abaixo. Cheguei meio catatônica até a porta do 1008. Hesitei um pouco: mas eu não a conheço, e já é tão tarde... Mas ela tinha me dito: \"Se precisar de alguma coisa, me procure.\" Lembrei-me daquele rosto lindo, daquele sorriso... Entre soluços e lágrimas mal enxugadas, apertei a campainha. Dois toques longos. Uma eternidade.
Não quis insistir, vai ver ela já se recolheu, era muito tarde. Já estava pensando em deixar para outra hora, quando vi um vulto no olho mágico, e então ouvi um som de fechadura destrancando. A porta se abriu e apareceu aquele rosto maravilhoso, os olhos verdes agora sem a barreira dos óculos. Uma toalha prendia os cabelos. Com certeza devia ter acabado de tomar um banho. Ela estava esplendorosa, naquele robe de seda branca e brilhante.
- Meu Deus, o que aconteceu com você? Entra, entra.
Eu devia estar mesmo num estado miserável. Desatei a chorar assim que a vi, mais de emoção do que de dor. Eu fui me desculpando de ter batido à porta dela, àquela hora tardia, sem avisar nem nada. Instintivamente deixei que ela me abraçasse, me amparasse. Foi tão gostoso ser abraçada por ela, por aquele corpo suave e perfumado... Acho que fui hiperventilando e querendo contar tudo o que aconteceu em pouco tempo, sempre soluçando e chorando. Ela deve ter percebido que eu estava traumatizada. Ela me disse para ficar à vontade, foi até o barzinho da sala e me trouxe uma bebida forte. Não sabia bem o que era, mas tomei: ela disse que era para me acalmar. Não sei se foi a bebida, ou a presença reconfortante dela, mas fui me acalmando aos poucos. Parei de falar. Fiquei comovida e a abracei. Nunca disse um \"obrigada\" a ninguém com tanta sinceridade. Ficamos um tempo abraçadas, sem dizer uma palavra. Ah, como isso era bom...
- Vem, senta. Me conta o que aconteceu.
Sentamos as duas no mesmo sofá. Tomei mais um gole da bebida. Ela passou a mão na minha testa e me acariciou os cabelos, ainda desgrenhados. Eu devia estar com um aspecto horroroso, totalmente oposto ao do anjo loiro que estava ao meu lado. Aí, recapitulei mentalmente tudo o que aconteceu e contei. Contei tudo, os detalhes mais sórdidos, os palavrões que eu não estou acostumada a soltar. Percebi que ela ouvia com interesse e ficava revoltada a cada episódio perverso dessa história macabra. Quando terminei, agradeci a ela outra vez e desatei a chorar de novo, juro que de emoção pela compreensão dela. Tomei mais um pouco. Não sei se foi a bebida que me soltou a língua, mas eu acabei pedindo a ela se me deixava pernoitar lá mesmo. Eu não queria voltar ao meu apartamento e passar a noite sozinha.
- Mas é claro. Hoje você vai dormir aqui. Amanhã a gente pode ir dar queixa na Delegacia da Mulher. Vamos juntas, nós duas.
Quando ela disse isso e tirou a toalha da cabeça, seus cabelos loiros se soltaram sobre os ombros. Eu nunca a tinha visto assim, das outras vezes no elevador ela mantinha os cabelos presos atrás. Agora, com os cabelos soltos e sem os óculos, a Samara. era certamente uma das mulheres mais lindas que eu tinha visto. O fato de ela estar a um palmo de mim me deixou meio nervosa, como se estivesse ao lado da realeza ou na presença de uma celebridade. Ela passou a toalha suavemente no meu rosto e nos abraçamos de novo. Ela me apertou contra o peito e me beijou levemente na testa. Eu me senti ótima. Ah, que gostoso...
- Você está exausta e nervosa. Por que não toma um banho? Vou pegar uma toalha para você.
Enquanto ela foi buscar uma toalha nova, olhei-me no espelhinho da minha bolsa. Só aí percebi de fato o meu estado lamentável: toda judiada, suada, a maquiagem toda empastelada sobre o rosto, os olhos vermelhos de tanto chorar, a pintura da sobrancelha desfeita, os cabelos em desalinho. Meu Deus, eu parecia um bicho. Que estrago! Nem sei como a Samara. me deixou entrar assim. Ela voltou e me passou a toalha e um outro robe de seda.
- Olha, o banheiro é ali, passando pelo meu quarto. Usa os sabonetes que quiser, tem vários lá. E xampu, condicionador, creme-rinse, o que você quiser. No armário do lado da pia tem escova-de-dentes, pode pegar uma nova. O importante é você se lavar muito bem, ainda mais que o cara nem sequer usou camisinha...
Era verdade, eu tinha que tomar um bom banho, varrer do corpo todo e qualquer resquício daquele canalha imundo. Eu pedi licença para tirar a roupa, e usar uma das poltronas para empilhá-la. Perguntei se eu podia dormir no sofá, mas não sei bem se ela me respondeu. Tirei a calça e a blusa e pus o robe dela por cima da calcinha e sutiã. Nunca tinha usado nada de seda, e é um material delicioso de ter sobre a pele. A Samara tinha entrado no quarto dela, o qual eu tive de atravessar para ir ao banheiro. Percebi que tudo no quarto era de seda branca, os lençóis, as fronhas... Ela. devia mesmo gostar de seda, típico de uma mulher de classe como ela. Fiquei meio sem graça de estar usando aquele robe sobre meu corpo ainda sujo, mas ela sorriu para mim. Entrei.
Tranquei a porta do banheiro, tirei o robe, desabotoei o sutiã e tirei a calcinha. Fui logo fazer xixi, sei que a urina até serve para lavar os resquícios do sexo feito às pressas. Depois entrei no chuveiro. Tentei fechar a porta do boxe, mas estava emperrada e abri a torneira assim mesmo, só um pouquinho para a água não respingar fora. Fiquei alguns minutos parada, deixando a água cair sobre minha cabeça e escorrer sobre os ombros. Que sensação deliciosa! Adoro água, principalmente quando cai na minha nuca e me dá um arrepio de prazer... Achei vários sabonetes enfileirados numa prateleirinha do boxe, peguei um e comecei a me ensaboar. Engraçado, eu comecei a fazer carinho com o sabonete em mim mesma, logo o tipo de carinho que esperava que meus namorados me fizessem e que, hoje tenho certeza, somente meu macho gostoso fez e faz em mim. Ensaboei bem devagar os meus ombros, os meus braços, e depois os meus seios. Depois corri o sabonete sobre a barriguinha, e ensaboei bem a minha vulva. Queria me lavar completamente, e quase que enfio o sabonete nela. Virei para me segurar numa das torneiras enquanto passava o sabonete no meu bumbum. Ensaboei muito bem o meu ânus, queria deixar ele bem limpinho, como se aquele bruto jamais tivesse entrado nele. Deixei a água correr sobre todo o corpo. Aí eu transferi o fluxo da água para a torneirinha, e com ela dirigi o jato d\'água para os dois orifícios que o canalha mais abusou. É estranho, mas achei delicioso aquele jato d\'água na vagina e no ânus. Ser penetrada por um pênis é uma coisa, mas pela água, além de higiênico, é mesmo excitante. Depois de um banho de uns vinte minutos (Samara., desculpe a conta da água!), já refeita e sentindo meu corpo bem limpinho, saí do chuveiro. Enquanto me enxugava, não sei por que, eu me sentia muito sensual e... desejada, sei lá por quem. Vi meu corpo e naquele momento eu jurei que nunca mais ia ser abusada, que só me entregaria a quem eu quisesse, quando eu quisesse... Pus de volta a calcinha e o sutiã, coloquei o robe de novo. Não queria abusar, mas aproveitei e escovei os dentes com uma das escovas do armário. E assim, purificada, perfumadinha e outra vez de bem comigo mesma, saí do banheiro. No quarto dela, a Samara. estava sentada na cama, em cima dos lençóis de seda, penteando aqueles maravilhosos cabelos loiros. Ela me olhou, abriu um sorriso e me jogou aquele olhar sexy. Ah, que mulher lindíssima ela é!!!
- Você está melhor? Vem cá, senta aqui comigo. Não quer conversar um pouco?
Achei que a companhia dela ia me fazer mais bem do que ir dormir direto, e aceitei. Ela estava no meio da cama, ou um pouco mais à esquerda, e eu me sentei à direita dela. A lâmpada do abajur do criado-mudo delineava o belo contorno do corpo dela, bem apertado no robe de seda.
- Nós nem nos apresentamos direito...
Era verdade. Rimos, e começamos a contar uma a outra quem éramos, o que fazíamos. Ela me contou que era secretária executiva de uma multinacional. Ela falava com uma segurança de me dar inveja. Quando me falou de onde veio, das viagens que fez, dos lugares que visitou, eu comecei a me sentir muito interiorana, muito caipira. Mas ela não me intimidou e estava claro que não procurava me humilhar, nem nada. Também parecia não se incomodar com minha falta de cultura, coisa que evidentemente não era o caso dela. Ela tinha um bom senso de humor, e me fez rir. Ela me deixou muito animada. Tomamos mais uns copos que ela tinha trazido ao quarto. Falamos de tudo, de nossas vidas, do que gostamos, da situação atual, até que olhei para o reloginho de cabeceira e percebi que já passava da uma da madrugada. Levantei-me da cama e já ia me recolher à sala, quando ela me chamou:
- Não precisa ir dormir no sofá, você bem que podia dormir aqui mesmo. Olha, minha cama é grande, dá pra nós duas, você fica numa ponta e eu na outra...
Achei estranho, mas aqueles lençóis de seda estavam tão gostosos... E depois, achei que era bom ter a companhia de outra pessoa. Outra mulher, isso sim... Aceitei, voltei a me sentar do lado direito da cama. Só que ela não foi para a outra ponta da cama, e ficou lá mesmo, mais ou menos no meio... Ela apertou um botão e apagou as luzes do teto, ficando só os abajures laterais a nos iluminarem. Eu ainda estava com o robe atado.
- Você vai dormir assim, toda vestida?
Não entendi a pergunta. Como assim, perguntei. Ela me sorriu de uma maneira ao mesmo tempo amistosa e provocante.
- Não gosto de dormir de sutiã, me aperta os seios. Eu costumo dormir assim, olha...
Ela continuou com o sorriso provocante enquanto tirava o robe. Não sei se ela tirou de uma vez ou lentamente, parecia que o tempo estava parado. Só sei que em seguida ela estava nua, inteiramente nua, sem nenhuma lingerie por baixo... E revelou aquele corpo deslumbrante, dourado contra a luz do abajur, de uma perfeição absoluta: os ombros firmes mas bem femininos sobre os quais caiam os cabelos lisos, o pescoço delicado e bem definido, a barriguinha esbelta, o umbigo um pouquinho saltado, as coxas bem torneadas, as pernas longas e afiladas. Os seios dela eram grandes, maiores que os meus, mas naturais e sem silicone, com aréolas grandes e escuras, e os biquinhos salientes. E, não sei bem por que, meu olhar curioso foi descer até a parte mais íntima dela, que era bem carnuda e depilada, mas com um tufinho de pelos loiros ornamentando o monte de Vênus. Não sei se eu senti alguma atração física por ela naquele momento, provavelmente não, mas estava completamente fascinada pela presença daquela deusa diante de mim, que eclipsava sem dó a beleza de qualquer estrela de cinema, top model ou musa de tevê por aí.
- É que assim eu relaxo melhor, com essa seda dos lençóis acariciando toda a minha pele. É muito gostoso, faz um bem danado. Você devia experimentar. Tira a saída, pelo menos...
Eu nunca havia dormido com lençóis assim, e realmente era uma sensação gostosa. Mas eu estava receosa, sempre dormi de pijama ou baby-doll e, claro, nunca na presença de outra mulher, ainda mais alguém que eu mal conhecia... Mas achei que não fazia mal se eu tirasse o robe e me enfiasse debaixo do lençol de calcinha e sutiã. Tirei o robe e me levantei da cama para pendurá-lo na cadeira. Percebi que ela ficava me olhando o tempo todo, não desgrudava os olhos de mim. O gozado é que eu também fiquei fitando aquela mulher linda e todinha nua... Quando tornei a subir na cama, ela me pôs a mão delicadamente no meu braço antes que eu me cobrisse com o lençol.
- Tira o sutiã, faz mal dormir apertando os seios. Não precisa ter medo, não tem ninguém mais aqui. Só nos duas... só eu e você... Deixa que eu te ajudo.
Antes que eu reagisse, ela já estava encostada em mim, com os braços em volta e as mãos desabotoando meu sutiã por trás. Algo tomou conta de mim, não sei: ao invés de protestar, deixei que ela me despisse, e relaxei meus braços para que ela tirasse o meu sutiã. Não percebi nada, nem me dei conta que eu estava com os seios descobertos. Eu só a fitava, olhava naqueles olhos verdes que me enfeitiçavam.
- Hum, mas você é muito linda, sabia? Que corpo bonito, e como combina com esse teu rostinho lindo... Aposto que você já teve uma porção de namorados e caras a fim de você...
Eu estava tonta demais para responder que não, que a linda era ela e que qualquer comparação seria humilhante. Verdade que tinha muito cara dando em cima de mim, sim, mas disso eu não queria me lembrar. Naquele momento, a única pessoa que ocupava minha mente era ela.
Então, aconteceu. Ela me acariciou o rosto com as costas de sua mão e me disse as palavras que nunca mais vou esquecer:
- Sabe, eu gosto de você. Gosto muito, mesmo. Quero te dar um beijo.
Nossos rostos estavam praticamente colados, então. Eu estava respirando cada vez mais rápido. Ela encostou os lábios nos meus e me beijou. Pensei que ia ser uma beijoquinha entre amigas, mas eu fechei os olhos e acabei recebendo um beijo ardente, apaixonado, sensual, molhado, delicioso... um beijo como homem nenhum havia me dado antes. Senti um arrepio percorrendo meu corpo da cabeça aos pés. Por uma fração de segundo ela parou para respirar. Nós duas estávamos ofegantes. Minha cabeça não sabia o que dizer, mas meu corpo falou mais alto:
- Você gosta de mim? Então me beija outra vez...
E veio o segundo beijo, ainda mais doce, molhado e cheio de desejo, que me fez contorcer o corpo de prazer. Perdi completamente qualquer acanhamento. Aqueles beijos haviam me abalado, sim, mas também havia me libertado da lembrança amarga de todos os namorados que eu tive. Agora nos agarrávamos com paixão, nossos braços apertando o corpo uma da outra, e nossas bocas se apertando num frenesi de carinhos entre nossas línguas. Ah, que coisa deliciosa! Se parávamos de beijar para respirar, logo voltávamos, nossos olhos cerrados, meu espírito totalmente ao abandono do prazer. Então ela encostou aqueles seus seios maravilhosos nos meus, e começou a esfregar os biquinhos enquanto nos beijávamos sem parar. Entrei no ritmo dela e logo senti as duas com os biquinhos durinhos, bem empinadinhos e cheios de desejo. Ela esfregava o corpo todo no meu, ela toda nua e eu ainda de calcinha, nossos sexos loucamente procurando contato. Fiquei cada vez mais excitada, e senti que estava toda molhada em baixo. Joguei a cabeça para trás e ela tirou momentaneamente a boca dela da minha para depois abocanhar suavemente o meu queixo e descer lambendo o meu pescoço até a curva do ombro. Ela soprou no meu ouvido, sussurrou lá dentro alguma coisa que eu estava estonteada demais para entender, depois lambeu e mordiscou o lóbulo da orelha, bem de leve, muito suavemente... Os lábios dela agora premiam meu pescoço e me chupavam com a sanha de uma vampira. Ela continuava me beijando e chupando, agora os ombros, depois a parte de cima dos braços. Abandonei-me totalmente às carícias dela. E aí ela desceu e foi me dando beijinhos e lambidelas nos meus seios, primeiro de um lado, depois do outro. Meus biquinhos já estavam duríssimos, e ela esticou a pontinha da língua para passar neles como se fosse um pincel dando os últimos retoques numa obra-prima. Aí os lábios apertaram um dos bicos, abriram-se e começaram a chupar meus seios. Entreguei-me totalmente e com gosto à minha bela vampira, que me sugava com sofreguidão e me arrastava ao delicioso caminho da perdição... Eu delirava e não tardou para que eu chegasse ao orgasmo, o primeiro de muitos que ainda viriam aquela noite...
Gemi de prazer enquanto meu corpo se contorcia como uma cobra embriagada. Aquelas mãos suaves apalpavam os meus seios, depois a palma das mãos estimulava meus biquinhos com movimentos circulares... E a língua dela não parou lá. Foi descendo mais, percorrendo toda a linha do meu ventre, lambendo prazerosamente em volta e depois dentro do meu umbigo. Ah, que cosquinha deliciosa... Mas aonde ela estava indo? Mais em baixo...? Ela parou e me deu um beijo, depois um chupão em cima da minha calcinha, que estava toda encharcada. De repente, senti vergonha. Ouvi outra vez aquela voz ligeiramente rouca, irresistivelmente sensual:
- A tua calcinha está todinha molhada. É melhor tirar. Deixa que eu te ajudo...
Ela foi me abaixando a calcinha, e eu relaxei as pernas para facilitar. Com que facilidade eu estava me entregando para ela, a uma pessoa que eu mal conhecia, e... mulher ainda por cima! Mulher... Algo dentro de mim me dizia que aquilo era errado, que não estava certo uma mulher fazer aquilo a outra. Mas era tão gostoso... Jamais, jamais pensei que um dia estaria nua na cama com outra mulher, deixando que ela tirasse a minha calcinha, revelando a ela toda a minha intimidade, e ainda por cima querendo, desejando, implorando sem dizer palavra que ela me deliciasse mais e mais, sem parar... Porque eu queria, sim, e como queria, ainda mais que ela viu minhas partes íntimas, lambeu seus próprios lábios e me sussurrou naquela voz rouca e doce:
- Que xaninha linda você tem...
Até então eu não gostava que falassem palavras feias, como os homens sempre fizeram comigo e eu achava tão grosseiro. Mas desta vez era aquela mulher maravilhosa, aquela deusa de beleza e sensualidade chamando assim essas partes de que gosto mas que sempre evitei falar a respeito, e não me senti insultada. Pelo contrário, senti-me desejada e amada, uma sensação já então quase esquecida... Ela encostou a boca no meu monte todo peludinho e por um minuto pensei que ela fosse me fazer o que no fundo eu queria mas tinha vergonha de pedir. Mas não, ela sorriu marotamente e se sentou sobre a cama, ergueu a minha perna direita e começou a beijá-la e chupá-la. Senti um arrepio quando ela me chupou o dedão do pé e passou a língua entre os meus artelhos, e depois desceu pela planta do pé e panturrilha abaixo, sempre lambendo como uma criança chupando sorvete. Fiquei excitadíssima quando ela me lambeu a dobra dos joelhos, um lugar que eu não sabia que era tão sensível. Aí ela me levantou a outra perna e também me lambeu na dobra desse joelho. Minha excitação crescia, eu já estava bem úmida, bem lubrificada... Ela ficou sentada de frente para mim, segurou meus joelhos e dobrou minhas pernas para trás, encurvando o meu corpo até encostá-las nos meus seios. Estava pronta, prontinha para me entregar completamente a ela, para o ato mais íntimo entre duas mulheres, e eu, que até então nunca tinha tido essa inclinação, agora estava ansiando pelo momento. Ela me deu um beijo estranho num lugar inesperado, bem no meu ânus, e foi lambendo mais para cima até chegar à entrada da vagina. Depois foi beijando meus lábios maiores já bem tufadinhos, alternando de um lado para outro e me deixando enlouquecida de desejo. Tremi toda quando senti aquela língua acariciar meus lábios menores e subir até o clitóris. Veio outro orgasmo, mais intenso e arrasador que o primeiro, e mal me recuperava dele quando senti aquela língua fustigando o meu clitóris como um chicotinho carinhoso, enquanto ela enfiava dois dedos na minha vagina, penetrando e retirando ritmicamente sem machucar, tocando-me a parede superior da abertura e perpetuando o meu prazer por mais... quanto tempo, meu Deus? Minutos? Horas? Nem sei... Segurei a parte interna dos joelhos para abri bem as coxas e fiquei gemendo como um animal no cio, enquanto os dedos e a língua dela não me permitiam relaxar o ritmo. Nunca havia sentido tanto prazer em toda a minha vida, o melhor dos namorados que eu tinha tido estava longe, muito longe de se comparar a essa Vênus loira em termos de deleite sexual. Quando paramos um minuto para tomarmos fôlego, estendi de novo as pernas e percorri com minhas mãos os lados do meu corpo, dos quadris até o busto, e comecei a acariciar meus próprios seios. A M. se deitou de bruços na minha frente, pôs as duas mãos na parte interna das minhas coxas e com os polegares ficou afastando delicadamente os meus lábios maiores.
- Tua bocetinha é tão deliciosa, meu amor...
E se pôs a me chupar e lamber novamente, com todo aquele toque mágico dela, me levando outra vez às raias da loucura do prazer. Ela me chamou de \"meu amor\"... E eu estava gostando, gostando muito... E o palavreado vulgar dela, era tão... bom de ouvir! Meu Deus, o que estava acontecendo comigo? Vamos parar antes que seja tarde demais? Mas eu não queria parar, eu queria mais, mais, MAIS - eu queria que ela não parasse de me chupar, lamber, deliciar a minha vagi... não, a minha xana, a minha cona, a minha perereca, a minha xoxota, a minha bocetinha!! Eu tinha que dizer a ela o que eu queria, de soltar meu desejo reprimido -
- Não pára, não pára... Continua me chupando... Chupa, chupa, chupa minha bocetinha...!
Não sei se foi impressão, um sinal de minha própria liberação ou se provoquei uma maior excitação na Samara, mas senti que ela passou então a me chupar com mais vontade, mais ânsia, mais desejo... Que coisa mais gostosa, ai, eu me contorcia toda, me contraía da cintura para baixo, e ela acelerou o ritmo das carícias. Gozei, gozei novamente, e mais outra vez... Aaii... Que loucura... Se eu tinha antes algum receio de transar com uma mulher, agora a hesitação se dissipava e dava lugar à fome, à sede, à sanha pelo prazer, uma sensação que me fez esquecer por completo que existia mais de um sexo sobre a Terra. Ahnnn...
De repente, enquanto eu ficava num delicioso devaneio, ela foi subindo com a boca, da minha bocetinha até o umbigo, e depois aos meus peitinhos. Era tão gostoso sentir a pele dela roçar na minha... Ela subiu sobre mim e me beijou outra vez, aquele beijo profundo e lambuzado, cheio de tesão, que nunca ninguém soube me dar... Ela se abraçou a mim e começou a se esfregar, os biquinhos dos seios dela contra os meus, a xana dela contra a minha... Nossas pernas se cruzaram como num X atravessado, e nossas bocetinhas se roçaram gostoso, depois os moranguinhos... Ah, que delícia, era como se ela estivesse me possuindo - não, me comendo, me fodendo gostoso como um homem faria se tivesse o que não tem: o dom de me dar prazer, de satisfazer meus desejos... Ficamos assim algum tempo, agarradas uma à outra, nos beijando e esfregando sempre, de vez em quando rolando nossos corpos para que eu ficasse em cima, depois em baixo de novo... De repente, senti que a M. estava gozando, o que me deixou com mais tesão ainda. Meu gozo chegou um pouco mais tarde que o dela, mas foi a primeira vez juntas: com o tempo iríamos aprender a gozar simultaneamente, naquela hora ainda era cedo para tanta proeza...
Meu Deus, gozei com uma mulher e fiz ela gozar, também... O gostinho de melado passava de uma para outra e me deixava de pernas bambas. Ainda em cima de mim, ela me beijou outra vez, enfiou a língua mais fundo, explorou todos os recantos da minha boca. Acariciou o meu rosto, fitou-me bem nos olhos e murmurou, visivelmente abalada:
- Agora é minha vez. Também quero. Eu quero...! Me chupa, me chupa toda, todinha...
Eu estava deitada, com a cabeça sobre o travesseiro, e ela levantou um pouco o corpo, ajoelhou-se em torno da minha barriguinha e encostou aqueles belos seios na minha boca. Eu não sabia bem o que fazer... nada disso, sabia muito bem, sim, sabia que tinha que lamber aqueles bicos saltados, abocanhar aquela aréola intumescida e chupar, chupar, chupar aqueles peitos deliciosos, sugar, sorver, mamar... Foi o que eu fiz, premendo meus lábios num dos seios dela enquanto acariciava o outro com meus dedos. Minha outra mão desceu instintivamente para a minha xana, e ficou massageando lá por uns instantes, até que ela agarrou meus dedos e os aplicou contra sua própria xoxota. Era a primeira vez que fazia isso, e deixei-me guiar pelo meu instinto, repetindo mais ou menos as carícias que ela havia me feito. Enquanto eu chupava aqueles peitos, ela gemia de prazer e obrigava a minha mão a bolinar aquela bocetinha depilada. Ela teve um espasmo e levou os meus dedos que estavam na xana molhada até a boca, e começou a chupar os dedos lambuzados como se fosse um picolé. Eu não via mais nada, fiquei de olhos fechados saboreando o momento, até que ela segurou minha cabeça com as duas mãos e foi me obrigando a descer pelo meio do corpo, na linha vertical do umbigo, mais e mais, fazendo-me beijar e lamber a cada passo. Finalmente, ela estava com as pernas em tesoura em volta do meu pescoço, bem de frente para mim. As pernas abertas deixavam escancarada uma racha estupenda, com aqueles lábios maiores tão carnudos e lisinhos, e encimada por um tufo de sedosos pelinhos dourados. Ela jogou a cabeça para trás e empurrou o púbis para junto da minha boca, e ficou à espera, com aquela linda boceta aberta, toda molhada, tufadinha, com o grelinho inchado e vermelho. Ela arfava de expectativa, qualquer carinho agora iria lhe desencadear uma avalanche de prazeres. O próximo movimento daquele jogo era meu.
- Ai, chupa, chupa minha boceta, meu amor, chupa... Também quero gozar...
Era um lamento, um misto de súplica e provocação, entrecortado de suspiros e gemidos. Eu também respirava depressa, toda excitada e desejosa de satisfazê-la. Novamente fui guiada pela minha intuição feminina, e fiz nela todos os movimentos que senti que iam lhe dar prazer, uma imitação ainda amadorística dos carinhos que ela havia me feito. Não esqueci, a provocação é que nos dá aquele \"frisson\" delicioso, o frêmito que vai escalando até o momento do orgasmo. Passei ambos os braços em volta das coxas dela, e fiquei massageando-lhe a virilha com os polegares. Como ela havia feito comigo, fiz que ia chupá-la, depois recuei, e comecei a lamber pelas bordas aquela xana apetitosa, passando a língua de um lado a outro como se fosse uma borboleta, para depois enfim lamber de frente os lábios menores. Depois de algum tempo, minha língua chegava ao final de sua peregrinação sagrada, para penetrar atrevidamente no santo dos santos daquele templo do prazer.
- Isso, meu amor... Assim...
E aí, quando massageei aquele moranguinho delicioso com a pontinha da minha língua, vi todo aquele corpo maravilhoso de deusa trepidar, como que colhida por um terremoto, estirando-se para trás em movimentos espasmódicos. Aquela boceta saborosa tremia na minha boca, toda inchada e corada, secretando mais e mais os sucos íntimos dela, o grelinho todo vermelho, quase roxo. As aréolas dos seios estavam enormes, túrgidas, e os biquinhos saltados ao máximo. Ela não gemia mais, agora gritava feito uma louca, com o rosto todo corado, quase vermelho. E outra novidade para mim naquela noite cheia de surpresas: eu não sabia que a visão de uma mulher - vale dizer, uma mulher lindíssima - contorcendo-se de gozo, um gozo que eu havia causado, iria me deixar excitada, cheia de tesão, a ponto de eu mesma sentir um orgasmo logo em seguida, sem qualquer outro estímulo. Ela \"apagou\" um instante e depois virou o corpo, e começou a me chupar também. Nem deu tempo de me recuperar daquele clímax, as lambidas e chupadas dela na minha bocetinha me fizeram gozar mais uma vez, e outra e mais outra. Ela estava com as coxas em volta da minha cabeça e eu apalpei aquela bunda arrasadora, afastei os lábios maiores com os dedos e continuei chupando a xoxota dela. Eu já havia transado naquela posição de \"69\" antes, mas foi com um homem, e eu ficava por cima dele chupando pica enquanto ele me lambia a xana. Agora eu estava por baixo, e só se chupava boceta - sem pressa nem pressão, carinhosamente, intensamente, deliciosamente... Hummmm, que coisa mais gostosa... Assim era MUITO melhor... Enquanto a minha bocetinha se submetia à língua gulosa dela, eu percorria a xoxota dela com a minha língua, de alto a baixo e subindo de novo, do grelinho até o espaço entre a fenda e o cuzinho. (Não, aquela vez eu não lambi o rabinho dela, isso ficaria para o nosso encontro seguinte...) Gozamos de novo, alternadamente, ainda sem sincronismo. Como era delicioso sentir aquele corpo escultural vibrando e se contraindo de gozo em cima de mim... Ai...
Depois de mais uma descansada, uma em cima da outra, ela se virou e me beijou longamente. Ficamos nos acariciando e sorrindo uma para a outra, como duas amantes de caso antigo.
- Eu gosto muito de você, Muito mesmo.
- Também gosto de você, Sâmara. Eu nunca, nunca pensei que um dia...
- ... fosse ficar de pernas abertas para outra mulher? Pois só diga nunca para uma coisa: que nunca mais você vai ser abusada à força por um canalha daqueles.
Ela me acariciou e beijou outra vez, agora um beijo de amizade e ternura mais que de desejo. Eu estava de bruços e ela deitada de costas. As mãos dela corriam pelas minhas costas como uma aranhinha apressada, e detiveram-se em carinhos num ponto muito sensível do meu corpo, na parte de baixo da espinha, logo acima do bumbum. Ela tinha razão, eu jurei para mim mesma que nunca mais cederia à sanha de um homem contra a minha vontade.
- Ainda está doendo, amor, onde ele te forçou? Tadinha...
Não, a dor tinha passado, os últimos deliciosos momentos que passamos juntos tinham me feito tão bem, e já não sentia mais aquela dor no... Mas o que ela estava fazendo, colocando os braços em volta do meu bumbum? Ela encostou o rosto e lentamente começou a beijá-lo. Olhei para trás e vi a língua dela percorrendo toda a curvatura da minha bundinha.
- Pobrezinha, eu vou te passar um remédio para aliviar...
Remédio? Mas ela não pegou nenhuma pomada ou bálsamo, apenas ficou me lambendo, agora com a língua perigosamente perto do meu rabicozinho. Não, ela não vai me... ou será? Ela começou a me beijar e a lamber em volta, depois me deu um beijo bem certeiro. Então ela me deu uma soprada e o meu rabinho sentiu que devia deixar cair todas as barreiras. A língua dela me tocou de leve, obviamente tentando entrar onde eu dizia não querer...
- Não, não faz assim, aí não... Aí não...
E naquele exato momento me veio de novo aquele maremoto de prazer. Era tão gostoso sentir a língua dela deliciando o meu cuzinho! Comecei a tremer outra vez, entrando em convulsões da cintura para baixo. Gemi, gritei, berrei... não queria que aquilo acabasse, queria mais e mais...
- Não... não pára, continua... mais... mais...\"
O maremoto continuava, aquelas ondas gigantescas me varrendo uma depois da outra. Os dedos dela brincavam com a minha bocetinha outra vez, e a língua vasculhava fundo o meu cuzinho. Ai, que delícia, que prazer incrível! Gozei de subir pelas paredes, fiquei me esfregando naqueles deliciosos lençóis de seda, com a cabeça já no sétimo céu... Eu gemia, chorava de prazer... E aí, de repente, sem aviso, a Samara. como que entrou em transe, começou a arfar e a gemer e caiu em cima de mim, sobre as minhas costas, também aos prantos, também tremendo em convulsões. Ela tinha gozado como eu gozei antes, sem se tocar, só de ver a parceira gozar também.
Quanto tempo mais ficamos assim, abraçadas? Eu estava totalmente esgotada. Adormecemos assim, ela sobre minhas costas. Acordamos na manhã seguinte, com a luz do sol entrando pela janela. Abri os olhos e vi aquele anjo abraçado em mim, sorrindo.
- Você está arrependida?
- Claro que não, e você?
- Só de não nos termos conhecido antes.
E aí eu percebi que estava apaixonada, total e incondicionalmente enamorada. E por uma mulher, que me deu o que não tive de homem algum: amor, carinho e prazer. Deixei de lado todos os preconceitos que tinha antes. Alias, um dia depois de casada e bem por sinal com o meu macho gostoso, mostrei para ela como é bom ter um macho bem gostoso que saiba tratar uma mulher como ele faz!!! Quem quiser se corresponder com meu marido e eu é só escrever para nós através do email dele chrisfrezza@hotmail e nós lhe mandarem mais contos eróticos inéditos.


#447 Comentários - 07-01-2009 - 05:16 PM por Isabel Ribas - Lésbicas - Confirmo, É EXCITANTE (84) - Nota negativa! (1)
Remover dos Favoritos
Enviar a um Amigo
Este conto já foi visto antes

Contamos com a sua decisão. Você leu a totalidade deste conto? Gostou? Não?

Agradecemos que faça a sua votação. Clique num dos links em cima.
Clique em "Confirmo, É EXCITANTE" se gostou do conto ou clique em "Nota negativa" se não gostou. por favor faça-o em consciência. Obrigado pela sua participação.

Comentários dos usuários:

Nota: O site Contos Eróticos (contoseroticos.mundopt.com) não se identifica com os comentários aqui publicados. Os comentários são da inteira responsabilidade dos seus autores e podem ser removidos sem aviso prévio. Se você encontrar aqui algum comentário que considere que ultrapassou todos os limites, por favor clique no link "Relatar" para o reportar à administração. Obrigado.
adorei to gosando ate agora Quero uma amiga dessa Tbm #1 - 19-04-2014 - 10:25 PM por Luna - reportar abuso
adorei to gosando ate agora Quero uma amiga dessa Tbm #2 - 19-04-2014 - 10:25 PM por Luna - reportar abuso
1581489111 meu whatsap#3 - 13-04-2014 - 07:29 PM por joh - reportar abuso
e muito excitante mebos aparte do homen#4 - 15-01-2014 - 10:54 PM por patricia - reportar abuso
delicia adorei queria uma p me chupar assim delicia estou gozando agora com dedinho na buceta#5 - 13-01-2014 - 05:35 AM por jane - reportar abuso
Nossa que gostoso#6 - 04-05-2013 - 09:04 PM por larissa Martin - reportar abuso
eu sempre quis fazer amor com duas mulheres ao mesmo tempo!#7 - 13-02-2012 - 06:01 PM por nilsão - reportar abuso
nossa adorei elas juntas...#8 - 22-04-2011 - 06:38 AM por sowe - reportar abuso
Muito bom seu conto..me deu um tesao danado..maix n entendi o final! Vc se casou com um homem?#9 - 28-12-2010 - 11:59 PM por Gleicy - reportar abuso
maravilhoso...cheguei as lagrimas fiquei emocionada e imaginando queria que fosse comigo estou precisando de algo assim bjs.#10 - 01-12-2010 - 01:46 PM por mirélla - reportar abuso

Coloque aqui o Seu Comentário sobre este conto:

Seu Nome:

Comentário:

Código anti-spam:      (reescreva o código à esquerda)